Em 2006 o Observatório das
Violências Policiais-SP
(www.ovp-sp.org)
foi integrado ao Centro de
Estudos de História  da
América Latina (CEHAL)- Núcleo
Trabalho, Ideologia e Poder,
da PUC-SP
(Pontifícia Universidade Católica)

Sitio Premiado - Selo Direitos Nota 10 - DHnet
 

 

Pesquisar neste sítio

 


Baixe para ler em pdf

 




População carcerária de SP cresceu 223% em 16 anos
Fonte: Última Instância
28.02.2012

Luiz Flávio Gomes e Mariana Cury Bunduky

Com um total de 177.767 detentos, São Paulo liderou com o maior número absoluto de presos no Brasil. Considerando-se que o estado possuía 55.021 detentos em 1994, o crescimento no número de presos nesses 16 anos e meio foi de 223%.

Dos 513.802 presos existentes no país, 62% integram cinco estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná. A conclusão é da última apuração realizada pelo Sistema de Informações do DEPEN (Departamento Penitenciário Nacional), em junho de 2011.

Dentre eles, somente São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais compõem 49,2% da população carcerária nacional. O estado de São Paulo, sozinho, representa 35% dos presos de todo o país, e é responsável por um terço do total carcerário.

Com uma taxa de 430,93 presos a cada 100 mil habitantes, o estado paulista é o quarto estado que mais prende no país, ficando atrás apenas do Mato Grosso do Sul, Rondônia e do Acre.

Assim, não é de se espantar que as penitenciárias, cadeias públicas e delegacias paulistas fiquem superlotadas e insalubres, constatações dos mutirões carcerários realizados pelo CNJ: milhares de presos irregulares nas celas e condições de vida desumanas.

 

Rua Monte Alegre 984 - Perdizes -  Prédio Novo - 4º andar - Bloco A - Sala 4E08 - CEP 05014-901 - São Paulo -