Em 2006 o Observatório das
Violências Policiais-SP
(www.ovp-sp.org)
foi integrado ao Centro de
Estudos de História  da
América Latina (CEHAL)- Núcleo
Trabalho, Ideologia e Poder,
da PUC-SP
(Pontifícia Universidade Católica)

Sitio Premiado - Selo Direitos Nota 10 - DHnet

 

Pesquisar neste sítio

 


Baixe para ler em pdf

 



Entidades fazem protesto contra violência policial em SP
Fonte: Folha On-Line
12.07.2012

André Caramante

Trinta e nove entidades de defesa dos direitos humanos, civis e trabalhistas promoverão hoje, às 17h, um protesto contra a violência policial no Estado de São Paulo.

Chamado de "Fim da Violência Policial contra a Juventude Pobre e Negra", o evento acontecerá no vão-livre do Masp, na avenida Paulista, região central de São Paulo.

Durante a concentração no Masp acontecerão apresentações de hip-hop, saraus e peças teatrais, segundo os organizadores do protesto.

Outro objetivo do evento é protestar contra a onda de violência ocorrida mês passado na região metropolitana de São Paulo, principalmente nas zonas leste e sul da capital.

Na segunda quinzena de junho, após a morte de sete PMs (todos de folga) em crimes com características de homicídios encomendados, 15 ônibus incendiados e cinco bases da PM atacadas, os homicídios subiram 50% na região metropolitana quando comparados com todo o mês junho de 2011.

Durante junho de 2011, 83 pessoas foram mortas na capital. Apenas na segunda quinzena do mês passado, pelo menos 127 pessoas foram mortas na cidade de São Paulo --aumento de 53%.

A onda de violência foi iniciada após as mortes de três dos sete PMs, todas na zona leste da capital, no meio de junho.

As mortes aumentaram ainda mais nos fins de semana de junho, quando os homicídios na capital triplicaram. Vinte e nove pessoas foram assassinadas entre as 20h de 22 de junho (sexta-feira) até as 8h do dia 25 (segunda). No primeiro fim de semana do mês passado, foram nove mortos.

Setores de inteligência das polícias investigam se as mortes de PMs e civis na Grande São Paulo, no mês passado, são consequência de uma guerra entre quadrilhas de traficantes, policiais militares ou se foram encomendadas por integrantes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

A ação do PCC contra os sete PMs mortos, de acordo com as investigações, pode ter sido um contra-ataque à operação da Rota (espécie de tropa especial da Polícia Militar) que deixou seis mortos, em maio, e à transferência de um chefe do grupo para uma prisão com normas mais rígidas.

LETALIDADE POLICIAL

De acordo com levantamento feito pela Folha na base de dados da Corregedoria da Polícia Militar, a letalidade policial em São Paulo subiu 4,5% neste ano.

Foram 268 mortos por PMs entre janeiro e maio de 2012; no mesmo período de 2011, 256. São os chamados casos de "resistência [à prisão] seguida de morte" somados aos homicídios dolosos cometidos por PMs no trabalho ou de folga.

Neste ano (janeiro a maio), a cada dia, PMs mataram 1,7 pessoa no Estado de São Paulo; em 2011, a média diária era de 1,6.

 

Rua Monte Alegre 984 - Perdizes -  Prédio Novo - 4º andar - Bloco A - Sala 4E08 - CEP 05014-901 - São Paulo - SP