Em 2006 o Observatório das
Violências Policiais-SP
(www.ovp-sp.org)
foi integrado ao Centro de
Estudos de História  da
América Latina (CEHAL)- Núcleo
Trabalho, Ideologia e Poder,
da PUC-SP
(Pontifícia Universidade Católica)

Sitio Premiado - Selo Direitos Nota 10 - DHnet

 

Pesquisar neste sítio

 


Baixe para ler em pdf

 



No último trimestre, PMs mataram 100
Fonte: O Estado de S. Paulo
14.07.2012

Isadora Peron

Para especialistas, pode estar havendo falha em mensagem passada a oficiais, que pensariam que 'se matar, tudo bem'

Entre maio e junho deste ano, ocorreram 100 casos de mortes de civis por policiais militares na Grande São Paulo. O número impressiona especialistas, que têm diferentes versões para explicá-lo.

Segundo o pesquisador em segurança Guaracy Mingardi, os recentes confrontos ocorrem por uma falha no comando da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Para Mingardi, nos últimos tempos o órgão começou a enviar mensagens erradas aos policiais. Ele citou um exemplo: ao nomear um réu do processo conhecido como massacre do Carandiru para comandar a Rota - o tenente-coronel Salvador Madia -, o governo teria passado a mensagem de que "se (o policial) matar, está tudo bem". "O fato de ele (Madia) ser acusado de estar entre os denunciados pelo Ministério Público é sintomático. Se você aceita colocá-lo em um cargo de comando, muita gente vai entender que 'está tudo liberado'. Ele pode até ser um cara muito bom e ter feito tudo certo, mas é uma questão simbólica."

Para o coordenador de Justiça e Segurança do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, Renato de Vitto, ainda é cedo para fazer especulações sobre as mortes de civis, mas é inegável que houve um aumento da violência policial durante a atual gestão da secretaria. "Eu espero, como cidadão, que não haja um comando, dentro da chefia da polícia, no sentido de que a ordem seja utilizar uma medida que juridicamente é extrema. O policial só tem autorização legal para matar um civil em uma situação de legítima defesa."

O presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe-SP), Ivan Seixas, compara as últimas chacinas ao episódio de 2006, quando o Primeiro Comando da Capital (PCC) parou a cidade São Paulo. A consequência foi a morte de 505 civis em menos de dez dias. Segundo ele, depois disso havia um acordo entre a polícia e o PCC para evitar ataques. Esse pacto, no entanto, teria sido rompido. "A diferença é que as mortes hoje não estão sendo concentradas em poucos dias, como foi em 2006. Elas são em doses homeopáticas", afirmou.

Nem o comando da PM nem a Secretaria de Segurança Pública quiseram comentar as mortes e as opiniões.

 

Rua Monte Alegre 984 - Perdizes -  Prédio Novo - 4º andar - Bloco A - Sala 4E08 - CEP 05014-901 - São Paulo - SP