Em 2006 o Observatório das
Violências Policiais-SP
(www.ovp-sp.org)
foi integrado ao Centro de
Estudos de História  da
América Latina (CEHAL)- Núcleo
Trabalho, Ideologia e Poder,
da PUC-SP
(Pontifícia Universidade Católica)

Sitio Premiado - Selo Direitos Nota 10 - DHnet

 

Pesquisar neste sítio

 


Baixe para ler em pdf

 



Homenagem à Rota é criticada por ativista de Direitos Humanos
Fonte: Última Instância - São Paulo
04.09.2013

Vereadores de São Paulo aprovam homenagem para Rota, entidade com histórico de apoio à ditadura militar.

No final da tarde desta terça-feira (3/9), a Câmara Municipal de São Paulo aprovou, por 37 votos à 15, a concessão da “Salva de Prata”, uma das principais honrarias da Casa, à Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), grupo de elite da Polícia Militar paulista. A votação favorável à tropa gerou controvérsias em diversos setores da sociedade civil e foi classificada como “uma loucura” por militantes da área dos Direitos Humanos.

Segundo o autor da proposta de homenagem, o vereador Coronel Telhada, a reverência se justifica pelos “relevantes serviços prestados pelo Batalhão à sociedade brasileira, em especial ao povo do estado de São Paulo”. Ex-comandante da corporação entre os anos de 2009 e 2011, Telhada exaltou ainda o passado de “glórias” da tropa.

Esta não é, no entanto, a opinião do padre jesuíta, Geraldo Nascimento. Membro do “Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça”, organização suprapartidária que tem como objetivo o esclarecimento e a apuração oficial dos responsáveis pelos crimes contra a Humanidade praticados pela ditadura militar brasileira, ele esteve na Câmara Municipal durante a sessão que aprovou a concessão da Salva de Prata, e afirmou que homenagear “uma entidade com tantos crimes nas costas” é “uma loucura muito grande”.

“Aprovar uma homenagem destas é uma desonra para a cidade de São Paulo. A Rota é uma entidade conhecida por atuar de maneira covarde e mentirosa. É um absurdo maluco homenagear uma entidade com tantos crimes nas costas”, disse ele. Para o padre Geraldo, a Polícia Militar é formada por uma hierarquia e estrutura perversas, alicerçada no uso da força.

“Muitos PMs vem até mim para relatar como se sentem oprimidos por seus superiores, dentro da própria corporação. Há uma grande tensão entre oficiais e praças (policiais de baixa patente). Uma vez um policial me contou como era desrespeitado dentro do batalhão e me perguntou: ‘Se eu não sou respeitado, como é que vou respeitar a população?’”, conta.

Segundo o padre, a homenagem à Rota ficará marcada para sempre. “Os nomes dos vereadores que aprovaram esse absurdo ficarão na história. A história vai cobrar eles. Ontem o Golpe Militar foi a glória e hoje é uma vergonha para a história nacional”.

A Salva de Prata, que segundo o regimento da Câmara pode ser concedida oito vezes por cada vereador, durante uma legislatura, foi a que levou mais tempo (6 meses) para ser aprovada em toda a história da Casa. Confira abaixo lista dos votos dos vereadores.

Momento inadequado

Para o jurista Luiz Flávio Gomes, a aprovação homenagem da Câmara Municipal paulistana à Rota demonstra como vereadores e opinião pública estão fora de sintonia. Ex-juiz e ex-promotor de Justiça de São Paulo, Gomes lembrou que as grandes manifestações ocorridas por todo o Brasil no mês de junho deste ano nasceram justamente da reprovação da população à má-conduta e violenta repressão da Polícia Militar em protestos que aconteciam na capital paulista.

“Considero este um momento muito inadequado [para conceder à homenagem]. As manifestações ocorridas recentemente questionaram justamente à conduta dos policiais”, afirmou Gomes, que também é membro da Associação Internacional de Direito Penal, com sede na França.

Segundo o jurista, a proposta do vereador Coronel Telhada parece uma atitude de simples “coleguismo”, e não algo que imergiu genuinamente dos desejos da população paulistana. “Acredito que reverências oficiais deveriam acontecer de outra maneira, inclusive com a abertura de editais públicos para sua aprovação. As homenagens públicas poderiam ser submetidas à votação popular, através de redes sociais, por exemplo, e só depois serem consumadas” .

Histórico

Criado nos anos 70, em pleno regime militar, o batalhão da Rota se autodenomina idealizador de “um policiamento com doutrina e características peculiares”. Em sua história, a tropa traz registros de intensa e violenta repressão a movimentos populares, e se orgulha por ter atuado contra líderes como Carlos Lamarca e Carlos Marighella, conhecidos pela luta contra a ditadura e a favor da democracia.

Precursor da atual tropa de elite da PM paulista, o 1º Corpo Militar de Polícia foi formado no século XIX, em 1891. Atualmente, o batalhão reivindica inclusive ter sido, àquela época, o responsável pelo último combate da Guerra de Canudos, quando em 1897 teria destruído o arraial dirigido por Antônio Conselheiro, que reunia camponeses, índios e escravos recém-libertos.

Alvo de frequentes denúncias por emprego excessivo de força e homicídios injustificáveis, a Rota tem como principal marca em seu passado recente a participação no Massacre do Carandiru. Em outubro de 1992, a tropa invadiu o principal presídio da capital paulista com o objetivo de encerrar uma rebelião entre os detentos. A ação terminou com 111 mortos. No início de agosto deste ano, 25 policiais do grupo de elite foram condenados a mais de 620 anos de prisão.

Confira abaixo os vereadores que participaram da votação, e suas respectiva deliberações:

-Votos favoráveis à homenagem

Roberto Tripoli (PV)
Abou Ani (PV)

Adilson Amadeu (PTB)
Conte Lopes (PTB)
Marquito (PTB)
Paulo Frange (PTB)

Andrea Matarazzo (PSDB)
Claudinho de Souza (PSDB)
Coronel Telhada (PSDB)
Eduardo Tuma (PSDB)
Gilson Barreto (PSDB)
Floriano Pesaro (PSDB)
Mário Covas Neto (PSDB)
Ricardo Nunes (PSDB)
Patrícia Bezerra (PSDB)
Calvo (PSDB)

Aurélio Nomura (PMDB)
George Hato (PMDB)
Nelo Rodolfo (PMDB)

Atílio Francisco (PRB)
Jean Madeira (PRB)

Aurélio Miguel (PR)
Toninho Paiva (PR)

José Police Neto (PSD)
Marco Aurélio Cunha (PSD)
Coronel Camilo (PSD)
David Soares (PSD)
Edir Sales (PSD)
Goulart (PSD)
Marta Costa (PSD)
Souza Santos (PSD)

Sandra Tadeu (DEM)

Laércio Benko (PHS)

Pastor Edemilson Chaves (PP)
Wadih Mutran (PP)

Noemi Nonato (PSB)
Ota (PSB)

– Votos contrários à homenagem:

Orlando Silva (PCdoB)

Paulo Fiorilo (PT)
Nabil Bonduki (PT)
Alessandro Guedes (PT)
Alfredinho (PT)
Senival Moura (PT)
Arselino Tatto (PT)
Reis (PT)
Jair Tatto (PT)
Vavá (PT)
José Américo (PT)
Juliana Cardoso (PT)

Natalini (PV)

Ricardo Young (PPS)

Toninho Véspoli (PSOL)

Rua Monte Alegre 984 - Perdizes -  Prédio Novo - 4º andar - Bloco A - Sala 4E08 - CEP 05014-901 - São Paulo - SP